CRESCIMENTO E FISIOLOGIA DE MELANCIA SUBMETIDA A DOSES DE CINZAS DE BAGAÇO DE CANA - DOI: 10.7127/rbai.v12n500865

Rafael Santiago da Costa, António Fernando de Barros Pereira Pinto, Maria Eliene da Silva Campelo, José Wilson Nascimento de Souza, Ciro de Miranda Pinto, Aiala Vieira Amorim

Resumo


Durante a moagem da cana-de-açúcar para a extração do caldo, há geração de bagaço. Esse subproduto é normalmente queimado, gerando cinzas que podem ser utilizadas como insumo fertilizante na agricultura, tornando-se assim uma alternativa ambientalmente correta e economicamente viável para a produção agrícola. Objetivou-se com presente estudo, avaliar o crescimento e as trocas gasosas de plantas de melancia submetidas a diferentes porcentagens de cinza de bagaço de cana-de-açúcar aplicado ao solo. O delineamento experimental foi inteiramente casualizados com 5 tratamentos e 5 repetições. Os tratamentos utilizados foram: T1 = apenas solo (tratamento referência), T2 = solo + 3% de cinzas, T3 = solo + 6% de cinzas, T4 = solo + 9% de cinzas e T5 = solo +12% de cinzas. Ao fim de um período de 60 dias após oplantio, avaliaram-se as seguintes variáveis: altura da planta, diâmetro do caule, comprimentoda raiz, número de folhas, área foliar, massa seca da raiz, massa seca do caule, massa seca das folhas, fotossíntese, condutância estomática e transpiração. A utilização de cinzas provenientes da queima do bagaço de cana-de-açúcar aplicadas ao solo favoreceu significativamente no crescimento e nas trocas gasosas das plantas de melancia, onde os tratamentos com 6 e 9 % de cinzas promoveram melhores respostas em todas as variáveis analisadas. Por ser um subproduto agrícola, torna-se uma alternativa viável e eficaz na substituição de insumos químicos para produção de melancia, nas condições edafoclimáticas do Maciço de Baturité, Ceará.


Palavras-chave


biometria; Citrullus lanatus; reutilização de resíduos; trocas gasosas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Agricultura Irrigada - RBAI

ISSN: 1982-7679

E-mail: revista@inovagri.org.br

+55 85 32681597